Notícias

Suor, concentração e vitória

13 de Novembro de 2018 - Série Prata
Foto: Guilherme Canal/PFF

Foto: Guilherme Canal/PFF

Uma história que precisa mais do que memória para ser contada: assim é o encontro entre duas das mais tradicionais equipes do futsal do Rio Grande do Sul. Não há como falar sobre o confronto entre Guaporé e Passo Fundo sem recorrer à emoção, à transpiração, aos gritos ensurdecedores de apoio que ecoam das arquibancadas.

Em meados da década de 90, bastava a confirmação do clássico para que o caldeirão se formasse. Lá e aqui. Aqui e lá. Em cada lado da quadra, cinco corações pulsando em ritmos descompassados, focados unicamente na vitória. Fora dela, centenas de batimentos que se unem às palmas e ao batuque dos instrumentos musicais. A adrenalina transparece em cada som – e, inevitavelmente, invade a alma de quem se propõe a narrar essa história. E mesmo quase duas décadas após a inesquecível semifinal da Ouro, os dois times ainda vivenciam a sensação de pertencimento: de, simultaneamente, constituírem e serem constituídos pela história do futsal gaúcho.

O calor intenso registrado em Guaporé nesse domingo (11) era apenas o prenúncio do clima que perpassaria o primeiro capítulo da decisão. A concentração da torcida organizada da AGE em frente ao ginásio Scalabrini, sob o sol escaldante, demonstrava a confiança em um desfecho positivo para os donos da casa. A recepção orquestrada com balões, cânticos e fogos de artifício provocava arrepios – digna de um encontro cujo prêmio é a presença na Liga Gaúcha 2019, além da chance de decidir o título da Série Prata. Ninguém entrou em quadra para perder. Não era, igualmente, jogo para empate. E somente uma equipe saiu vitoriosa.

Coube aos visitantes estremecerem as redes pela primeira vez. Nos pés do artilheiro Romarinho, a explosão da Torcida Força Jovem. No chute cruzado de Grégory, a vibração do público no Ginásio Scalabrini. A igualdade no marcador na primeira etapa fez jus ao equilíbrio do confronto. Na volta do intervalo, no entanto, a sequência passo-fundense fez toda a diferença: Dani Ottoni, Dani Ottoni, Romarinho, Dani Ottoni. Assessorados por uma atuação luxuosa dos demais companheiros, os artilheiros do Passo Fundo Futsal na temporada não economizaram talento nem qualidade para encurtar a distância entre o clube e o seu principal objetivo em 2018. A AGE reagiu no final da partida e usufruiu da velocidade na saída de bola para reduzir a diferença com gol de Pedrinho. Mas não foi o suficiente. O placar eletrônico acusou: vitória do Passo Fundo Futsal por 5 a 2.

A classificação ainda não está definida. Ainda restam quarenta minutos de bola rolando no próximo sábado (17), no Ginásio Capingui. A partir das 20h, o segundo e derradeiro capítulo da decisão será escrito. Ao Passo Fundo Futsal, basta um empate. Uma vitória, quiçá. A AGE precisa obrigatoriamente vencer no tempo normal para forçar a prorrogação. A semifinal se encaminha para o fim, mas as emoções apenas começaram.

Fonte: Dani Freitas Esporte Clube

Mais Notícias

    Aguarde, buscando...